Press

Salpoente

Press

Restaurante Salpoente, História à Mesa

É uma cidade de água e de luz cuja ria, durante séculos, foi o principal meio de ligação entre as zonas ribeirinhas. Em Aveiro, é possível embarcar num moliceiro e viajar pelos característicos canais, até ao único Armazém de Sal que perdura na cidade. Uma oportunidade inédita para descobrir um espaço que honra a tradição com uma mesa contemporânea.
Só existe um local em Aveiro onde é possível visitar dois antigos Armazéns de Sal – património histórico da cidade – e desfrutar de uma gastronomia de sabores e saberes. Situado junto ao Canal de São Roque, o restaurante Salpoente eterniza uma das tradicionais atividades da região – a produção de Sal – através da recuperação de dois antigos palheiros, e oferece, a quem o visita, a possibilidade exclusiva de ingressar numa viagem temperada pela história.
Mesmo em frente à ria, o Salpoente mantém parte do armazém original, como as fortes vigas de madeira no tecto, que homenageiam o espaço ao lhe atribuir a nobreza de outros tempos, para além de recriar de forma original a tradição gastronómica da região.
O sal, apelidado de “ouro branco” pelas gentes da terra, era recolhido da ria e depositado nos antigos armazéns para posterior venda. Cientes da importância que o “monumento” simboliza para a cidade, e da necessidade de preservar a herança de outros tempos, os armazéns foram reconvertidos num espaço de lazer.
Para além da sala principal de refeições, o Salpoente dispõe da sala do chef, um espaço mais reservado, ideal para refeições de grupo, e de um bar chill-out, que acolhe exposições de artistas das mais variadas áreas. No interior, o Salpoente combina de forma harmoniosa história e modernidade, com uma atmosfera de conforto e sofisticação. Um espaço de requinte, elegantemente decorado, e onde a cozinha é recriada e confecionada com a máxima qualidade.
Entre sabores e temperos, o Salpoente revolucionou o ‘fiel amigo’. Aqui, o bacalhau assume um lugar de destaque, pela mão do chefe Duarte Eira, vencedor do concurso ‘A Revolta do Bacalhau’, em 2011. A carta é uma viagem de propostas degustativas pelos sabores do bacalhau, com uma diversificada oferta que se estende desde os pratos mais simples aos mais complexos. Uma oportunidade para a surpresa e para a descoberta, onde os sabores da cozinha tradicional se envolvem na criativa cozinha contemporânea.
E porque a cidade da ria é também a cidade berço de um dos doces conventuais mais acarinhados, no Salpoente não podem faltar os carismáticos ovos-moles.

Salpoente, uma viagem pelos sabores do bacalhau

Localizado no Cais de São Roque em Aveiro, o restaurante Salpoente nasce da recuperação de dois antigos Armazéns de Sal, património histórico da cidade, e da aposta em valorizar a gastronomia nacional, em especial o bacalhau.
Aquele a quem chamamos ‘fiel amigo’ tem em Aveiro a mesa ideal para ser degustado. No Salpoente, as criações culinárias juntam o tradicional ao contemporâneo, onde o bacalhau ocupa um lugar de destaque.
Cumprindo os mais exigentes critérios de reabilitação, o Salpoente recuperou de forma exemplar um património ligado à vivência do sal – dois antigos armazéns destinados à recolha e venda de sal, agora reconvertidos num lugar de lazer – com o intuito de homenagear o espaço e devolver-lhe a nobreza de outros tempos.
Com vista privilegiada para a ria, a elegante decoração é acompanhada por uma aposta no design. Marcas e produtos portugueses como a Boca do Lobo, a Deligthfull, a Glam Fire e a Vista Alegre Atlantis, tornam o ambiente intimista, numa harmonia entre a histórica fachada e a contemporaneidade do seu interior. Um espaço de requinte, onde a cozinha é recriada e confecionada com a máxima qualidade.
A carta é uma viagem de propostas degustativas pelo sabor do bacalhau, numa diversificada oferta que se estende desde os pratos mais simples aos mais complexos. No Salpoente, para além de uma ementa ligada à cozinha tradicional portuguesa, há uma clara aposta da gerência em transformar este espaço no melhor restaurante português, especialista em bacalhau.
O chefe Duarte Eira revela que “o Salpoente funciona como uma espécie de laboratório, onde são estudados a fundo os sabores tradicionais e a forma como serão feitas as abordagens aos mesmos”.
Com um percurso dedicado à gastronomia de excelência, Duarte Eira, de 28 anos, conta no seu currículo com o primeiro prémio na categoria gastronómica da 7ª edição do concurso “Revolta do Bacalhau”, com a proposta “O Bacalhau da Noruega assado numa versão contemporânea”. Na sequência desse prémio, Duarte Eira realizou um
curso intensivo de formação para aperfeiçoar as técnicas de confeção do bacalhau no Gastronimik Institut, na Noruega.
Recentemente, Duarte Eira foi um dos candidatos ao título Chefe Cozinheiro do Ano 2015, onde arrecadou a 5º lugar. O júri foi presidido por Nuno Mendes, chefe do Chiltern Firehouse e Taberna do Mercado, em Londres.
Para além de oferecer sabores tradicionais de alta qualidade, o Salpoente aposta igualmente na vertente artística. Anualmente, é agendado um cartaz onde constam prestigiados artistas das mais variadas áreas, da fotografia às artes plásticas, da escultura ao design.
Defender os valores nacionais, recuperar e preservar tradições, impulsionar e promover a arte e os seus intervenientes são os valores máximos deste projeto, tudo num único espaço.

Salpoente, especialistas em Bacalhau

Salpoente, sinónimo de arte, história, gastronomia e inovação

Localizado no cais de S. Roque, na zona histórica da cidade, junto a um canal da Ria de Aveiro, dois antigos armazéns de sal são transformados num restaurante especialista em Bacalhau, ao qual se pode chegar num tradicional barco Moliceiro, de um dos vários operadores existentes.
Com um ativo humano jovem, dinâmico, formado e motivado, prima por um atendimento de excelência e presta um serviço singular na confeção de todos os seus pratos. Tudo preparado num processo criterioso dirigido pelo Chefe Duarte Eira, que passa pela seleção dos ingredientes, confeção até ao empratar e servir.
Para acompanhar uma refeição de cozinha tradicional portuguesa, recriada com novas abordagens de cozinha progressista, o Salpoente aposta também numa carta de vinhos de excelência. Assim, complementa-se a viagem degustativa não só pelo sabor do bacalhau, mas também pelos paladares das melhores castas.
O Salpoente aposta também na vertente artística e tem agendado um cartaz anual onde constam prestigiados artistas plásticos, escultores, fotógrafos e designers.
Visite-nos, vai saborear.